13/05/2016 9h35 - Atualizado em 13/05/2016 9h35

"Os hospitais estão na UTI": Presidente do HSA convocou funcionários e imprensa para falar da situação da casa de saúde



Na manhã de quinta-feira, 12 de maio, no dia do profissional de enfermagem, a presidente da associação hospitalar beneficente Santo Antônio, Mirna Braucks, convocou funcionários e a imprensa local e regional para um desabafo quanto a situação financeira enfrentada pela casa de saúde em função do não cumprimento dos compromissos do governo federal e estadual. Juntamente com o Prefeito Elido Balestrin, Vice-Prefeito Nelcindo Galli e Vereador Ibe Furini, a gestora confirmou uma dívida de R$ 9,2 milhões de reais do Hospital e as dificuldades em bancar a folha de pagamento dos funcionários, bem como os encargos patronais de INSS e FTGS.

"Os hospitais não têm mais como manter as portas abertas! Todos estão no fundo do poço!", exclamou Mirna ao abrir seu discurso. Segundo ela, o governo do estado divulgou nota afirmando que repassaria recursos as associações hospitalares, entretanto este valor representa apenas R$ 800 mil, sendo que o Piratini deve cerca de R$ 6 milhões ao Santo Antônio. Mirna revelou que foi contraído empréstimo no valor de R$ 2,5 milhões com juros de 1,92% junto a Caixa Econômica Federal para pagar a folha de pagamento dos servidores. Aproveitando a deixa, ela parabenizou os profissionais da saúde, em especial os enfermeiros, pelo belo papel que vêm desempenhando e pela dedicação ao hospital mesmo em tempos difíceis economicamente.

Para tentar amenizar a crise econômica, o hospital portelense, juntamente com outras casas de saúde regionais, e a parceria da prefeitura municipal, lançam uma campanha para arrecadação de alimentos, com o objetivo de incrementar as refeições dos pacientes e reduzir as compras de mantimentos.

O prefeito Elido Balestrin salientou que o município de Tenente Portela está repassando os recursos que tem condições para o HSA, mesmo com a falta de R$ 1.160.399,90 não repassados pelos governos federal e estadual ao município. "Não é pedir esmola e sim o que é de direito. O governo deve explicações de aonde está sendo aplicado o valor dos impostos da população. Eles (governantes) sobem o ICMS, mas o repasse é o mesmo", desabafou o chefe do executivo.

Balestrin ainda disse que a crise está em todos os setores e que unida a comunidade tem que combatê-la. Para ele a responsabilidade sobre a saúde é de todos e com a contribuição pequena de cada um, a situação que hoje é crítica pode ser amenizada. Finalizando, o prefeito ainda revelou  que recusou três emendas parlamentares para equipamentos da área da saúde, enfatizando o interesse de Deputados e Senadores em divulgar que aquele bem material foi concedido por eles, mas, contudo, esquecendo que não é só com equipamentos que se faz saúde: é necessário mão de obra, especialistas, medicamentos e outros itens de manutenção.

Nos próximos dias, a administração municipal estará dando início a divulgação da campanha de arrecadação de alimentos para o Hospital Santo Antônio.



Enviar por e-mail Imprimir